Aprendendo com os filhos

pai-e-filho-2

O dia que encontrar alguém que diga que sabe tudo sobre qualquer assunto, fuja dele, pois, com certeza, é um tremendo mentiroso ou, no mínimo, um mega presunçoso. Qualquer que seja nossa idade ou experiência de vida, sempre haverá algo a aprender com outra pessoa, independentemente das posições relativas nas pirâmides sociais ou culturais. O professor que achar que não tem nada a aprender com seus alunos poderá se surpreender a qualquer momento.

Outra fonte inesgotável de aprendizado está dentro de nossa casa. Ao mudarmos o enfoque natural de observação que temos com nossos pimpolhos, poderemos aprender coisas inusitadas. As vidas são diferentes, os tempos são diferentes, as oportunidades são diferentes e, consequentemente, as experiências são diferentes.

Um exemplo imediato é: como discutir informática com a garotada de hoje? Parece que os danadinhos já nascem com um chip implantado no cérebro. Coisas que demoramos a dominar nos computadores, eles o fazem quase que instintivamente. Incrível. Para evitar o tal choque de gerações é preciso que os mais velhos, nós, de posse de nossa maior quilometragem, tenhamos a sensibilidade de entender que podemos e devemos ser alunos dos nossos filhos nos assuntos que eles dominam mais do que a gente.

Por que não? Será que passa pela cabeça de alguém que aprender algo com uma criança é algum demérito? Algum pecado? Se houver uma gotinha de amor da relação criador-criatura, submeter-se ao aprendizado através do conhecimento do filho é algo que elevará tanto a auto-estima dele que nós, como pais, devemos mesmo é incrementar e incentivar estas experiências.

Nada que possa desviar as responsabilidades de educador e orientador que já temos naturalmente. Eu tenho a sorte de ter quatro extraordinários professores, cada um em área diferente, o que me faz um aluno privilegiadíssimo por poder receber diariamente informações sobre informática, vida no exterior, design e medicina.

Com estes professores podemos ter a certeza de não estarmos recebendo informações erradas, distorcidas ou mal intencionadas. Não é mesmo uma delícia haver uma relação de amor e respeito bilateral entre aluno e professor. Esta é a delícia reservada para nós, pais, que temos o privilégio de aprender com nossos filhos.

Imagem: Judah Generation

2 comentários sobre “Aprendendo com os filhos”

  1. Relamente é uma experiência absoluta!Tenho um filho de 6 anos que me surpreende a cada momento.Ele tem uma capacidade de comunicação invejável, consegue fazer com que a pessoa mais rabugenta se entregue aos seus diálogos. Gosta muito de conversar com adultos, então imagine uma criança de 6 anos te dizendo para ter calma que nem tudo no mundo está perdido, que as pessoas devem se amar mais entre outras coisas…
    Os pais devem sempre estar atentos pois no mundo em que vivemos hoje se nós não dermos a atenção que nossos pequenos precisam “outros darão” e neste momento sabe Deus se esta atenção será para o bem ou para o mal…

Deixe uma resposta